Páginas

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Cético, Mestre em História da Ciência da PUC, dá Adeus a Teoria de Darwin!


Enézio E. de Almeida Filho, mostra o seu cetisismo na Teoria de Darwin através do seu Blog (pos-darwinista.blogspot.com). Graduado em Ciências Humanas na Universidade Federal do Amazonas, UFAM, fez mestrado em Historia da Ciencia, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil e é especialista na Teoria da Evolução Século XIX. Veja o que ele diz em nota no seu Blog:
"Por que sou ‘pós-darwinista’? Porque já fui evolucionista de carteirinha. Hoje, sou cético da teoria macroevolutiva como verdade científica. Contudo, meu ceticismo ao ‘dogma central’ darwinista não é baseado em relatos da criação de textos sagrados. Foi a séria e conflituosa consideração do debate que ocorre intramuros e nas publicações científicas há muitos anos sobre a insuficiência epistêmica da teoria geral da evolução. Eu fui ateu marxista-leninista. Hoje, não tenho mais fé cega no ateísmo. Não creio mais na interpretação literal dos dogmas de Darwin aceitos ‘a priori’ e defendidos ideologicamente com unhas e dentes pela Nomenklatura científica. A Ciência me deu esta convicção. Aprendi na universidade: quando uma teoria científica não é apoiada pelas evidências, ela deve ser revista ou simplesmente descartada. Sou pós-darwinista me antecipando à iminente e eminente ruptura paradigmática em biologia evolutiva. Chegou a hora de dizer adeus a Darwin. Mestre em História da Ciência – PUC-SP."

2 comentários:

Rodomar Ricardo Ramlow disse...

É, para muitos a ciência tem se tornado religião!

Anônimo disse...

Não há com que se surpreender, pois assim caminha o conhecimento científico sempre que se encontra alguma inconsistência. Para muitos o que se conhece hoje é tudo que se pode conhecer o que ,aliás, pensavam cientistas e os religiosos que nos antecederam, embora cada um no seu sistema. Mas o paradigma muda, como mudarão outros. Achar que temos todo conhecimento, por mais que se possa comprovar alguma coisa é um retrocesso do processo científico. Se assim for aceito estagnará a pesquisa. É muito cedo para afirmações definitivas. Não seria essa como as afirmações definitivas e imutáveis que a Bíblia impõe? A mesma ação com objetivos diferentes. Talvez não valha muito minha opinião, mas as conclusões do Enézio E. de Almeida Filho não são as únicas e apenas dele. Contudo isso não invalida e nem descarta as importantes conclusões que geraram também importantes aplicações patrocinadas pelo evolucionismo. O criacionismo, no sentido de que o Universo foi criado por quem tem em sí a capacidade de transmitir propriedades superiores como as nossas é um fato, agora como se deu é algo que não se sabe.